Southland Tales – O Fim do Mundo

Southland Tales – O Fim do Mundo.

Direção: Richard Kelly.
Roteiro: Richard Kelly.
Elenco: Dwayne Johnson, Sarah Michelle Gellar, Sean William Scott, Justin Timberlake, Mandy Moore, Christopher Lambert, Jon Lovitz, Bai Ling, Miranda Richardson, Lou Taylor Pucci, Amy Poehler, Cheri Oteri, Rebekah Del Rio.
Ano: 2007 (EUA)
Gênero: Ficção Científica / Drama / Comédia.
Tempo: 145 min.

Sinopse: Em 2005 um ataque nucler destrói parte do estado de Texas, o que força o governo americano a intervir com a liberdade de todos os cidadãos. Um grupo revolucionário tenta acabar com a ditadura através da violência. No meio desse caos, durante a comemoração do Dia da Independência de 2008, o prenúncio de um desastre social, econômico e ambiental cruza as vidas de três pessoas: Boxer Santaros, Krysta Now e David Clark. Santaros elabora um roteiro para um filme, que para sua surpresa prediz o que irá acontecer no futuro.

Richard Kelly ganhou notoriedade após lançar o filme independente Donnie Darko, que entrou na minha lista de melhores filmes que já vi de todos os tempos. Virou um grande cult sem dúvidas. Southland Tales não apareceu nos cinemas nacionais, foi direto para o DVD, o que vem se tornando cada vez mais frequentes com muitos filmes. No caso deste, foi uma sábia decisão, pois Southland Tales é um filme estranhíssimo, eu diria que destinado a poucos. Aliás quase ninguém gostou do filme, raríssimas críticas foram positivas.

Eu também vou me juntar aos que não gostaram de quase nada. Antes que os “entendidos” de cinema apareçam nos comentários dizendo que na verdade eu não “assimilei” o filme, não entendi as “nuances” e não sei mais o quê, digo que não foi bem isso que me fez achar o filme uma lástima. A trama toda mais parece uma piada, ou uma forma de comédia com os acontecimentos que estamos tendo nos tempos atuais. Só que acredito que existem formas melhores de se passar uma mensagem, ou várias mensagens que sejam, sem tanta “viagem” e loucuras mil.

Sabe quando você começa a ver o filme e percebe que não está entendendo muita coisa? Eu fico tranquilo, sei que na metade ou no máximo no fim do filme tudo vai ficar claro. Ledo engano, o filme termina do mesmo modo que iniciou, totalmente nebuloso. Só depois da poeira sentar que peguei algumas coisas e até entendi o que Richard Kelly e os atores quiseram com o filme.

A história se passa num futuro pré-apocalíptico e nos apresenta Boxer Santeros (Dwayne Johnson “The Rock”) um ator de filmes de ação com amnésia, Kyrsta Now (Sarah Michelle Gellar), uma atriz pornô e apresentadora de um programa de televisão e os gêmeos idênticos Roland e Ronald Taverner (Seann William Scott). Num mundo a beira de um colapso social, econômico e ambiental, eles irão enfrentar ainda os neo-marxistas, uma facção que usa métodos terroristas para deixar seus recados.

Toda essa salada de fruta de atores, histórias e personagens “nada a ver“, não se combinam e acaba o filme sendo um grande desencontro, grande mesmo pois ele tem mais de 2 horas de duração. A melhor cena do filme é quando Justin Timberlake (que por sinal se mostra um ótimo ator em todos os últimos filmes que fez) toma uma dose de uma droga e na sua alucinação se vê cantando uma canção do The Killers, com umas dançarinas. É simplesmente sensacional. Aliás a trilha sonora é muito boa, além de The Killers, temos Radiohead, Blur e muito mais.

O filme na verdade é uma sátira ao que o mundo se tornou depois dos atentados terroristas do 11 de setembro. O controle do governo pelo poder bélico, as formas cada vez mais “severas” e invasivas de controle das pessoas, tudo isso é mostrado no filme. Ainda sim, se você passa uma mensagem que quase ninguém intercepta, eu acho isso uma falha. Se é pra fazer um filme para 10 ou 20 pessoas gostarem, avisando antes, evita que muita gente perca seu tempo.

Acredito que assistindo novamente eu poderei pegar mais coisas, vislumbrar melhor as belas imagens e tudo mais, só que sinceramente, eu não tenho vontade alguma de fazer isso. O filme para mim foi um fracasso ou algo próximo as loucuras de David Lynch só que ruim, ainda que tenha tido algumas boas sátiras e piadas, e um ou outro momento genial, acompanhado de belíssimas atrizes como Sarah Michelle Gellar, não vale o seu tempo. A não ser que você concorde com esse cara aqui, que foi um dos raríssimos que vi elogiar a obra. Não preciso nem linkar os que odiaram, pesquisando rapidamente você encontrará de montão.

42 comentários sobre “Southland Tales – O Fim do Mundo

  1. Acabei de ver o filme, é realmente bizarro. Mas não exatamente pelos mesmos motivos que você. Aguarde a minha resenha em breve.

    O filme é ruim por ser ruim mesmo. A história é totalmente absurda. Impossível levar o filme a sério em algum momento nem mesmo como uma sátira ou algo do tipo.

    A cena de Justin dublando The Killers realmente é a melhor cena do filme.

    Falando em David Lynch, você já viu algum filme dele?

    Curtir

  2. Eu até tinha uma esperança sobre esse filme, mas depois de tantas críticas ruins que ele recebeu além do fato dele ter sido lançado direto em DVD aqui no Brasil, o que geralmente não é boa coisa, eu meio que deixei de lado.
    Vou esperar passar na Tela Quente mesmo…

    Curtir

  3. Poxa, que bom que não fui so eu que achei o filme fraco, não sou nenhum cr´tico nem nada, mas não precisa de mto pra achar esse filme ruim. Vc ainda teve estomago de termina-lo, eu não.

    Curtir

  4. Pingback: Marcio via Rec6
  5. Fico realmente triste com isso pois tinha muitas esperanças para o novo filme do Kelly. Quem sabe da próxima vez sai um filme melhor.

    Temos que lembrar que esta versão não é a mesma imaginada por ele, afinal o estúdio exigiu diversas mudanças no corte original. Quem sabe um dia uma “versão do diretor” é lançada e o filme finalmente faça sentido.

    Curtir

  6. O filme foi cortado em quase 1 hora, e sinceramente, duvido que faria sentido. Com o tempo que tem eu quase não consegui assistir, imagina se fosse maior!

    Acho que o sucesso de Donnie Darko lhe subiu pela cabeça e ele fez esse filme do jeito que fez.

    Curtir

  7. Carla, não se sinta burra não pois eu tb não entendi quase nada.

    Você já assistiu Donnie Darko? Foi o primeiro filme deste diretor e ele teve um grande sucesso. No filme tiveram algumas “viagens” mas nada no nivel deste Southland Tales que foi absurdo, e absurdo de ruim.

    Depois do grande sucesso com Donnie Darko, o diretor Richard kelly simplesmente “surtou” e fez essa barbaridade, e com mais dinheiro na mão!

    Eu tb fiquei me sentindo um idiota assistindo o filme, portanto nem procure explicações, apenas delete esse filme de sua mente.

    Curtir

  8. Eu não sou de dar razão a dono de estúdio, mas os caras tem razão de terem ficado putos ao ver o resultado final. Eu finalmente vi este filme ontem e devo dizer PQP, com tudo em maiúsculo mesmo.

    Dá um trabalho enorme entender qualquer coisa e quando você entende não é grande coisa mesmo. Sem contar que este filme tem um grande pecado… ele parece longo, muito longo. Coisa que filmes como A Irmandade do Anel e O Cavaleiro das Trevas não parecem.

    Se tivesse nota negativa aqui eu te sugeriria.

    Curtir

  9. conheci este site hj e ja fui lendo as resenhas e logo me interessei, tanto q add nos favoritos.

    as resenhas sao muito boas. concordei com a maioria delas. a cena com a musica dos Killers ficou animal mesmo. parece a nova propaganda da nike. e realmente esse justin tem acertado nos filmes que faz. quando fui ver o filme inicialmente, nao sabia que era do mesmo criador do donnie darko, mas suspeitei desde o principio, pois o clima eh bem parecido. tem uma cena ateh q aparece varias imagens do frank coladas na parede de um esconderijo.

    Curtir

  10. Olá gustavo, valeu pelos elogios e pelas visitas 😀

    O filme realmente tem várias referências a outros filmes (inclusive a Donnie Darko que é dele) só que não fiquei muito olhando essas coisas não. Inclusive jamais assistiria novamente para ficar olhando, o filme é muito ruim. É uma pena!

    Curtir

  11. vi só a metade deste filme. faz um tempo ja acho que uns 2 ou 3 meses atraz
    sinceremante ñ consegui assistir até o final.
    como um filme com tantos adores bons pode acabar assim?
    como eles puderam aceitar atuar em tal obra?
    provavelmente esse serah um dos filmes nos quais quando perguntados (qual é o filme que se vc pudesse voltar ao passado ñ teria feito?)
    hauahuahau
    esse é um filme que nem os atores salva, e nem a capa
    essa e uma lição pra mim que loco filmes pela capa. nada aver aquela capa em.
    loquei em lançamento. q

    Curtir

  12. foi o dinheiro mais mal gasto da minha vida
    nem quando paguei camarote e a balada tafa fazia me doeu tanto

    aew vai uma listinha de filmes que eu odiei assim como este
    A Cidade das sobras (assisti ate a metade)
    cidade dos sonhos (ñ intendi nada. do memso jeito que começa acaba só que pior rss)
    garotos de programa (tem quem goste)
    deu a louca em hollywood
    todo mundo em panico 4
    super herois
    desater movie (e que desastro em?)
    sunshine – alerta solar (o filme começa da metade) haha
    a sentinela (antigo)
    nunca fui amada (com neve campbel)
    hypnos
    rota mortal
    aguines karine
    natal negro (tanto o antigo como o novo mas o novo tem um super trailer. mas o filme que é bom. nada)
    Match Point – ponto final (fim de carreira pra scarlet johoson)
    london ( o filme todo se passa em um banheiro literalmente falando) londo e ruim mas o melhor da lista dos piores
    e muitos outros. minha lista de filmes ruim é enorme.
    ñ conseguiria escrever todos aki

    Curtir

  13. Kaue, é isso aí. Aquele velho ditado de “Não julgue um livro pela capa” se aplica tb aos filmes hehehe.

    Quanto a sua lista de piores eu so tiraria Match Point e Sunshine pq eu gostei hehehe. O resto realmente é de dar medo!

    []´s

    Curtir

  14. O filme é muito louco…

    Como já foi dito, a performance de Justin, cantando “The Killers” foi bacana.

    Outra parada que gostei, pra não dizer que joguei o dinheiro da locação fora, foi a dança de Boxer Santaros com a esposa e a amante
    e também a frase “Carro de frente”:

    “Pois eu sou um cafetão, e o cafetão nunca comete suicídio…”

    kkk

    Curtir

    1. Creio que não entendeu todo o filme Southland Tales. E ele é bem mais simples do que se pensa no meu ponto de vista. É apenas um ponto de vista e o filme está na linha dos últimos do David Lynch. SPOILERS – Após a terceira guerra mundial os cientistas estudam e descobrem um tipo de combustível alternativo, denominado carma fluído. As ondas oceânicas servem de combustível para aquela geringonça que produz carma fluído. Porém, o funcionamento dela acarreta a desaceleração planetária e uma fenda na quarta dimensão, ou seja, uma espécie de máquina do tempo no deserto. Os cientistas enviam Boxer Santaros para a experiência de encontrar a si mesmo no futuro e no passado (os macacos falharam porque não têm alma, que besteira rsssss!) Boxer Santaros do presente é morto por Serpentine, a acessora dos cientistas e quem permanece vivo é o Boxer Santaros do futuro. Porém, Boxer Santaros foi conduzido por Ronald que encontrou seu eu futuro ou Roland (outro artifício do diretor). Ronald e Roland estão vivos no presente e nas mãos dos neomarxistas, porém Roland ainda não sabe da existência de Ronald. Boxer Santaros retorna com amnésia do deserto e pouco a pouco vai descobrindo quem é. Escreve um roteiro para um filme sobre o fim do mundo. Este roteiro é divulgado para todos (no sense total) e os cientistas (que se revelam neomarxistas depois) sabem dos detalhes através dele. Nos minutos finais, Boxer Santaros descobre o corpo do eu passado (ou presente para ele) que foi incinerado por Serpentine, entendendo também que ele é eu futuro e por isso sabe como o mundo acaba. Roland começa, lentamente a descobrir quem é (o eu futuro) e quer encontrar o eu presente, Ronald (quem sou? Isso não é da sua conta) O carma fluido injetável, por ser uma espécie de droga que altera a estrutura corporal e mental, dando acesso à quarta dimensão e aos demais eus das pessoas, serve como caminho para rastrear e encontrar Ronald, por isso, Roland injeta a droga. Sabe que Ronald vai tentar se matar por remorso e culpa pelo que fez ao piloto Abilene no Iraque e quer evitar a morte do eu presente e futuro. Porém, se os dois apertarem as mãos, gera um colapso na quarta dimensão (teoria da física quântica novamente) e o mundo acaba ou se funde? Eis o mistério, porém é teoricamente impossível a existência de dois eus no mesmo espaço e tempo. Quando eles apertam as mãos, o furgão sobe até o Zeppelin do barão com o agente neomarxista e terrorista. Como os neomarxistas conhecem o futuro pelo roteiro de Boxer Santaros, sabem que a chance de “acabar com o capitalismo e o totalitarismo” é explodindo o Zeppelin naquele momento. Há uma segunda alternativa, se o atentado falhar ou seja, divulgar o vídeo de Boxer Santaros e Krysta transando, desmoralizando a célula capitalista nas próximas eleições. Porém, o roteiro escrito pelo Boxer Santaros do futuro não falha e o terrorista acerta o Zeppelin, assassinado os capitalistas com os cientistas neomarxistas (numa espécie de sacrifício pela causa) e “é assim que o mundo acaba, não num choro, mas numa explosão”. A explosão do zeppelin. Roland convence Ronald a não se matar, afinal ele “é cafetão e o cafetão nunca morre”. Frente ao vórtice da quarta dimensão, Roland e Ronald tornam-se um só com as mãos apertadas e o messias de um novo mundo. E o mundo acaba ou não no colapso da quarta dimensão? Resta a dúvida e o resto são sátiras e acontecimentos isolados para melhorar e estragar ou filme.

      Daniel Brasil

      Curtir

    2. O Making Off não explica nada do enredo. Serve apenas para mostrar como foi feito e para vermos a rica cara do Richard Kelly. O filme dá um sono danado mesmo. Na primeira vez que assisti cochilei e depois de duas tentativas frustradas consegui revê-lo. Sleepland Tales seria um ótimo título alternativo.

      Curtir

  15. Creio que não entenderam o filme. E ele é bem mais simples do que se pensa e na linha dos últimos do David Lynch. Spoilers – Após a terceira guerra mundial os cientistas estudam e descobrem um tipo de combustível alternativo, denominado carma fluído. As ondas oceânicas servem de combustível para aquela geringonça que produz carma fluído. Porém, o funcionamento dela acarreta a desaceleração planetária e uma fenda na quarta dimensão, ou seja, uma espécie de máquina do tempo no deserto. Os cientistas enviam Boxer Santaros para a experiência de encontrar a si mesmo no futuro e no passado (os macacos falharam porque não têm alma, que besteira rsssss!) Boxer Santaros do presente é morto por Serpentine, a acessora dos cientistas e quem permanece vivo é o Boxer Santaros do futuro. Porém, Boxer Santaros foi conduzido por Ronald que encontrou seu eu futuro ou Roland (outro artifício do diretor). Ronald e Roland estão vivos no presente e nas mãos dos neomarxistas, porém Roland ainda não sabe da existência de Ronald. Boxer Santaros retorna com amnésia do deserto e pouco a pouco vai descobrindo quem é. Escreve um roteiro para um filme sobre o fim do mundo. Este roteiro é divulgado para todos (no sense total) e os cientistas (que se revelam neomarxistas depois) sabem dos detalhes através dele. Nos minutos finais, Boxer Santaros descobre o corpo do eu passado (ou presente para ele) que foi incinerado por Serpentine, entendendo também que ele é eu futuro e por isso sabe como o mundo acaba. Roland começa, lentamente a descobrir quem é (o eu futuro) e quer encontrar o eu presente, Ronald (quem sou? Isso não é da sua conta) O carma fluido injetável, por ser uma espécie de droga que altera a estrutura corporal e mental, dando acesso à quarta dimensão e aos demais eus das pessoas, serve como caminho para rastrear e encontrar Ronald, por isso, Roland injeta a droga. Sabe que Ronald vai tentar se matar por remorso e culpa pelo que fez ao piloto Abilene no Iraque e quer evitar a morte do eu presente e futuro. Porém, se os dois apertarem as mãos, gera um colapso na quarta dimensão (teoria da física quântica novamente) e o mundo acaba ou se funde? Eis o mistério, porém é teoricamente impossível a existência de dois eus no mesmo espaço e tempo. Quando eles apertam as mãos, o furgão sobe até o Zeppelin do barão com o agente neomarxista e terrorista. Como os neomarxistas conhecem o futuro pelo roteiro de Boxer Santaros, sabem que a chance de “acabar com o capitalismo e o totalitarismo” é explodindo o Zeppelin naquele momento. Há uma segunda alternativa, se o atentado falhar ou seja, divulgar o vídeo de Boxer Santaros e Krysta transando, desmoralizando a célula capitalista nas próximas eleições. Porém, o roteiro escrito pelo Boxer Santaros do futuro não falha e o terrorista acerta o Zeppelin, assassinado os capitalistas com os cientistas neomarxistas (numa espécie de sacrifício pela causa) e “é assim que o mundo acaba, não num choro, mas numa explosão”. A explosão do zeppelin. Roland convence Ronald a não se matar, afinal ele “é cafetão e o cafetão nunca morre”. Frente ao vórtice da quarta dimensão, Roland e Ronald tornam-se um só com as mãos apertadas e o messias de um novo mundo. E o mundo acaba ou não no colapso da quarta dimensão? Resta a dúvida e o resto são sátiras e acontecimentos isolados para melhorar e estragar ou filme.

    Daniel Brasil

    Curtir

  16. Southland Tales dá um sono danado. Eu cochilei várias vezes quando assisti da primeira vez. Depois de dois “sacrifícios” frustrados, consegui revê-lo. Sleepland Tales seria um nome mais adequado, na minha humilde opinião. Descobri a cura para a insônia, chama-se Inland Empire de David Lynch.

    Curtir

  17. Rebekah Del Rio que canta o hino americano em Southland Tales é a mesma cantora – “La Lhorona De Los Angeles” de Mulholland Drive. Fato que desperta curiosidade, pois Richard Kelly e David Lynch têm muito em comum e matéria de bizarrice e surrealismo.

    Curtir

  18. Pessoal,

    acordei pensando num detalhe que não faz nenhum sentindo a primeira vista que vemos no filme. Parece que o personagem está chapado até, mas não. Lembram quando o Roland se observa no espelho no início do filme e há um retardo em seu reflexo? Pensei que era mais uma idiotice, mas como é o “eu” futuro do policial Ronald, Kelly utilizou isto como metáfora, ou seja, o pensamento do “eu – Ronald” futuro está além dos atos do passado, por conseguinte, o seu reflexo. ( ocorre que tanto Boxer Santaros e Roland ou Ronald sofrem de amnésia até se darem conta que são “eus” futuros, seus pensamentos estão fragmentados, pois, se montassem todo o quebra-cabeça o filme não fará sentido. Os dois conhecem a realidade futura e podem evitar toda a reviravolta, um artifício do diretor) Só não entendi o que pensa “eu” futuro de Ronald acordado com os neomarxistas e depois vê o “eu” presente dele mesmo amarrado pensa? Se o “eu” presente é seu irmão-gêmeo ou se ele já tem uma leve noção que se trata dele mesmo no espaço e tempo presente. Ficou mal explicado e uma enorme ponta solta por parte de Richard Kelly. Como um “eu” futuro de Boxer Santaros consegue escrever um roteiro que explica os acontecimentos do futuro e como um “eu” futuro de Ronald Taverner não reconhece o próprio “eu” presente? A amnésia de um é mais grave do que a do outro? E dê-lhe pontas soltas.

    Curtir

    1. Me admira, de verdade, você conseguir tanta coisa para falar do filme. Confesso que não tive essa visão e detestei tanto ele que existiu dentro de mim até uma certa dose de preguiça em pensar nele.

      Seus comentários estão enriquecendo muito esse debate, gosto quando as coisas caminham desta forma por aqui.

      Grande abraço 🙂

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s