Quincas Berro D´água

Quincas Berro D’Água (Comédia, 2010 – 104 min)

Direção e roteiro de Sérgio Machado adaptando obra de Jorge Amado. Estrelando: Paulo José, Marieta Severo, Mariana Ximenes, Vladmir Brichta, Flávio Bauraqui, Irandhir Santos, Luis Miranda e Frank Menezes, Milton Gonçalves, Othon Bastos, Walderez de Barros, Carla Ribas.

Dos autores que somos obrigados a ler em nossa época de colégio/pré-vestibular, Jorge Amado sempre foi para mim um dos melhores (e dos poucos que realmente lia). Baseado no livro “A Morte e a Morte de Quincas Berro D´água”, Sérgio Machado – que fez “Cidade Baixa” – dirige e escreve o filme que adapta este hilário conto de Amado. Com um grande elenco e poucos deslizes, o resultado é uma putaria das boas.

Na trama vemos Quincas (Paulo José) morrer bem no dia do seu aniversário, enquanto seus amigos (uma legião de putas e bêbados) lhe aguardam para festejar. Quando sua morte é descoberta, sua filha (Mariana Ximenes) que não o via a muito tempo por ter vergonha do bêbado boêmio que se transformou vai ao velório de seu pai e acaba se deparando com essa corja de “maconheiros ladrões”.

O filme é todo narrado pelo “morto”, que aproveita para soltar pérolas no mais baixo calão sobre o que pensa de verdade de todos os que aparecem a sua volta. E é quando seus fiéis companheiros o “sequestram” para continuar a comemorar seu aniversário e decidem que ele ainda está vivo apenas pregando uma peça com todos, que “altas confusões do barulho” começam a surgir. Tudo no melhor estilo um “morto muito louco baianês”.

O longa é recheado de atores baianos, alguns oriundos do teatro (Frank Menezes faz muito sucesso nos tablados daqui de Salvador), outros do elenco de “O Paí Ó” e até gente de programas locais. Ao invés de se tornar uma completa porcaria amadora, isto ajuda a deixar o sotaque e o dialeto ‘baianês’ totalmente convincente e deveras divertido. Talvez quem é de fora precise se situar em uma “gíria” ou outra mais nada que atrapalhe.

O elenco global (toda vez que vejo aquele logo “Globo Filmes” no cinema eu tenho calafrios) nas mãos de Sérgio Machado conseguiu eliminar os ‘cacoetes’ novelescos e fazem bons papéis a exemplo de Mariana Ximenes (A Mulher do meu Amigo), bem contida na maior parte do tempo.

Em alguns momentos o filme tenta se situar numa onda de ‘drama’ que acaba só atrapalhando o ritmo, isso sem contar com algumas piadas bobas (o que é aquela tia peidorrenta?) que aparecem para arrancar o riso fácil vez ou outra. Mas nada disso atrapalha o resultado final, que rende sim boas gargalhas e um ótimo entretenimento. No final das contas a essência do conto de Jorge Amado se sobressai a algumas falhas e faz tudo valer a pena.

11 comentários sobre “Quincas Berro D´água

  1. É, a situação da tia é exagerada e forçada demais. Mas, o filme é muito gostoso de se ver, além de ser a cara da Bahia. Jorge Amado bem feito.

    Quanto aos livros de escola, também preferia os de Jorge, mas até que gostava daquela fatídica “coleção vagalume”, hehe.

    abraços

    Curtir

  2. Nunca gostei de Jorge Amado. Tive que ler Jubiabá (ou foi Mar Morto?) e achei um saco, parecia interminável. Mas fiquei um pouco curioso pra ver esse filme (se não me engano eu já li esse livro também…)

    Curtir

  3. Amanda, essa coleção vagalume eu lia também mas não era ‘obrigado’ a ler na matéria de literatura não né? Ou era?

    Rodrigo, pelos 2 trabalhos de Sérgio Machado eu só posso concordar contigo.

    Sid, Capitães da Areia é outro trabalho de Amado muito bom, pena que vi o trailer do filme que vai sair em breve nos cinemas e não gostei.

    Ramon, é o tipo de filme que você tem mesmo aversão, esse apelo popular e baianês deve lhe dar calafrios no cinema, leve fé hehehe

    Curtir

  4. Oi Marcio!

    Tenho lido críticas boas sobre este filme. Comecei a gostar de Jorge Amado na adolescência, quando li, ainda fedelha, “capitães da areia”. A partir deste, li todos os outros e sempre gostei da forma escrachada de JA contar suas histórias.
    Vou esperar sair em vídeo para ver, pois gostei muito do livro quando li.

    Um beijinho
    Ps. eu li a coleção vagalume…….rsrs

    Curtir

  5. Nunca havia lido o livro, parece que eles mudaram algumas coisas, mas me diverti bastante, concordo que ficou um estilo meio “um morto muito louco baianês”.

    Curtir

  6. Cíntia, a coleção Vagalume é unanimidade mesmo, todo mundo gostava 🙂

    Lena, tiveram sim algumas mudanças na adaptação que eu particulamente nem percebi pois li tem tanto tempo… Mas a essência da história de Jorge Amado está toda lá, e é muito divertida.

    Alan, é realmente muito legal o filme, mas tem gente que não curte muito este estilo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s