Dawn of the dead 1978 – 2004

Por algum motivo que não sei qual… demorei a trazer este filme ao Porra Man, apesar de gostar muito das duas versões. Quando perguntei no twitter alguma sugetão de filme para postar, o @klaus_hasten sugeriu Madrugada dos Mortos! Por isso mesmo resolvi dedicar um tempinho especial ao Dawn of the dead original de 1978 e a adaptação de 2004.

.

Em 1978, o mestre George Romero, trouxe as telas o filme Despertar dos Mortos onde temos os já conhecidos zumbis tomando conta da terra. Desta vez, um grupo de quatro pessoas sendo dois jornalistas e dois integrantes da tropa de choque da polícia em fuga; após a cidade estar praticamente tomada pelos mortos-vivos, as redes de televisão tentam fazer transmissões de emergência e debates a respeito do que são de fato aquelas criaturas, antes nossos familiares e amigos e agora apenas comedores de carne humana, a polícia tenta manter a ordem enquanto  pequenos grupos de fazendeiros de locais mais isolados fazem suas caçadas em grupo, comemorando e se divertindo mo se fosse um churrasco no fim de semana. Neste cenário temos os dois jornalistas que partem em um helicóptero em busca de um local seguro e levando consigo os dois policiais. Após ficarem quase sem combustível, o único local possível para o pouso é o heliponto de um Shopping Center.

Já na adaptação de 2004, Madrugada dos Mortos, temos um início dinâmico e sem grandes explicações. Enquanto algo estranho acontece lá fora, uma enfermeira aproveita com seu marido algumas horas antes de voltar ao trabalho e no início da manhã tem sua casa invadida por uma criança que ataca mortalmente sue esposo. Após morrer e alguns segudos depois voltar a vida para atacá-la ferozmente, ela consegue fugir da casa e transtornada, percebe o caos que está a sua volta com o mundo tomado por criaturas que atacam as pessoas aparentemente para devorá-las. A enfermeira se junta a um policial, um homem com a esposa grávida e um outro que perdeu toda a família. Eles se refugiam em um Shopping Center onde recebem a companhia de 3 seguranças e mais alguns refugiados.

As duas versões são diferentes, desde os personagens, o foco, os zumbis e até mesmo as motivações de sobrevivência. Por isso mesmo eu encaro que a versão de 2004 é uma adaptação e não um remake do clássico de 1978, onde os únicos pontos em comum são o Shopping e os Zumbis.

.

No primeiro filme podemos perceber claramente a crítica ao modelo de vida americanco, os hábitos consumistas até mesmo na forma que os zumbis circulavam nos Shoppings, aéreos, com olhar sem vida, apenas sendo levados por seus instintos – da mesma forma como faziam quando ainda eram vivos. Não é a toa que instintivamente foram caminhando até o Shopping, lugar onde se sentiam em casa, resquícios de boas lembranças. Por falar nos mortos-vivos, eles são bem diferentes do que estamos acostumados a ver hoje em dia nos filmes de Hollywood. Lentos, desajeitados, sem forças, eles são praticamente como pessoas normais – na aparência – e uma das únicas características visíveis no corpo é a pele azulada. Sem grandes maquiagens, efeitos visuais ou grafismos, eles ainda assim são amedrontadores e não dão desconto aos nossos protagonistas. Vale ressaltar que o protagonista deste filme é um ator negro, algo muito raro na época e George Romero fez isso pela segunda vez (basta lembrar que em A Noite dos Mortos Vivos, o protagonista também era um ator negro).

Madrugada dos Mortos – 2004 – tem um rítimo frenético e isso fica claro desde o primeiro ataque. Tudo é rápido, sem tempo ou pausa para explicações, fugir para sobreviver. Esse é o lema. Nesta adaptação não temos grandes reflexões sobre o way of life americano e os momentos dentro do shopping center se concentra muito nos personagens, mostrando que nem mesmo os recém nascidos estão a salvo de virarem zumbis. Não posso esquecer de citar um grande trunfo do filme que é o Andy: homem que está preso em uma loja de armas na vizinhança e inicia uma tocante amizade – a distância – com o policial preso no Shopping. Algumas cenas valem ser mecionadas também: A fuga no ônibus com milhares de zumbis ao redor, brincadeira de tiro ao alvo, despedida dos que foram mordidos e esperam sua sentença de morte e claro, as cenas após os créditos. Quanto aos zumbis, eles são rápidos e na grande parte das vezes tem o corpo mutilado mostrando um trabalho de maquiagem maravilhoso. Acho válido essa montagem porque normalmente quando as pessoas são atacadas por mortos-vivos, são mordidas por alguns deles e é de se esperar que quando se tornem zumbis elas já estejam bastante machucadas.

.

Dawn of the dead de 1978 é um filme muito bom e a adaptação de 2004 também é ótima. Foi uma grande surpresa nesses tempos onde fazer remake parece ser o destino trágico dos grandes estúdios. Gostaria de deixar aqui pra vocês os extras do filme de 2004. É uma pena que está em inglês sem legenda mas vale muito a pena!

-> Parte 1;

-> Parte 2;

-> Parte 3.

 

 

 

6 comentários sobre “Dawn of the dead 1978 – 2004

  1. Estão entre os meus filmes favoritos e não digo isso apenas em relação ao gênero zumbi.

    O melhor de tudo é que na adaptação (concordo com o que você disse) de 2004 tem umas cenas após os créditos que são cruciais para o desfecho da história e no cinema que estava só eu, um amigo e mais umas 4 ou 5 pessoas viram o “verdadeiro” final hehehe.

    Excelente post como sempre Dani.

    Curtir

  2. Eu só assisti a versão de 2004, é um filme muito bom, mas não gosto de ZUMBIS rápidos ou espertos, aparência estava ótima.

    Qualquer hora tento ver o filme de 78, mas dificilmente da certo essas coisas de ver o novo antes do velho, mas se diz que existe tanta diferença de roteiro, deve valer a pena.

    #Protocolo BlueHand preparado para ser ativado.

    Curtir

  3. Porra!!! Adorei Madrugada dos mortos, assisti no cinema com minha irmã, levei uns sustos mas curti a história do filme, sabe? Achei bem feito, é com a atriz que fez Minha vida sem mim (Sarah Polley), que também é ótima! =)
    Adorei vc ter feito a comparação entre ele e o primeiro, porque eu me lembro que na época em que ele foi lançado, saiu uma notinha na revista Veja/Época/qualquer outra do gênero falando exatamente sobre a questão dos hábitos de consumo que eram abordados no primeiro filme (que eu também não tive coragem de ver ainda…)!
    Bjos!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s