O Dia em Que a Terra Parou (The Day the Earth Stood Still) – 1951

O Dia em Que a Terra Parou (The Day the Earth Stood Still, 1951 – 92 min)
Drama, Ficção Científica, Suspense.
Dirigido por Robert Wise, roteiro de Edmund H. North, baseado em conto de Harry Bates. Elenco: Michael Rennie, Patricia Neal, Billy Gray, Hugh Marlowe, Sam Jaffe, Frances Bavier.
.
.
.
.
.

“Essa noite eu tive um sonho de sonhador maluco que sou, acordei…” em 1951, n’O Dia em Que a Terra Parou, filme que ganhou um Globo de Ouro Honorífico em 1952, como melhor filme a promover o entendimento internacional. Isso se justifica, provavelmente, pela temática bastante introspectiva deste que é um dos maiores clássicos da ficção científica de todos os tempos e que não passava de uma vaga lembrança no fundo da minha memória, erroneamente associada à música do Raul que sequer faz referência ao filme.

A trama mostra uma invasão alienígena, tema relativamente comum em filmes de ficção científica, se não fosse pela abordagem específica no invasor ao invés dos terráqueos. O alienígena – bem humano, na verdade – Klaatu, veio passar uma importante mensagem de paz para o povo da Terra, mas vê seu plano falhar devido à inércia dos líderes mundiais que recusam a se reunir para ouvi-lo. Assim, ele foge do hospital onde se recupera de um tiro que levou em sua chegada ao nosso planeta e se mistura aos terráqueos para tentar entende-los melhor e buscar uma forma de cumprir sua missão.

CONTÉM ALGUNS SPOILERS: O que mais chama atenção neste filme é a mensagem que ele deixa através da missão de Klaatu. A preocupação de todos os outros planetas com a possibilidade de que os conflitos da Terra possam atrapalhar a paz do Universo evidencia uma severa, porém bastante pertinente crítica às guerras que se alastram por nosso planeta. FIM DOS SPOILERS: Para isso os diálogos são todos muito bem construídos e proporcionam boas reflexões, corroboram ainda as atuações, nada excepcionais, mas todas muito boas. Os efeitos especiais e visuais – principalmente na nave – são bem surpreendentes para a época e contribuem com a qualidade visual da obra.

Difícil achar pontos negativos neste filme que é, em sua grande, muito bem feito e extremamente interessante. Mas, como eu disse, o filme é, em sua grande maioria, muito bem feito, e por isso não posso deixar de citar algo que não sai da minha cabeça: o robô que “escolta” Klaatu e que atende pelo nome de Gort. Simplesmente é o pior robô que eu já vi no cinema. Parece uma mistura bizarra do RoboCop com os Teletubbies. Ele não possui articulação nenhuma e realmente parece – provavelmente é, mas não deveria parecer – ser feito de espuma.

Fome, guerra, poluição…os problemas da humanidade são muitos, e este filme mostra o quanto erramos em alguns aspectos. A possibilidade de que o planeta seja destruído diante do atual quadro de violência é interessante e provoca uma reflexão pontual sobre o rumo que a humanidade vem traçando. Tudo isso faz com que O Dia em Que a Terra Parou seja um filme não apenas excelente, mas muito importante para ser assistido e refletido, se possível por todos os líderes mundiais…robôs à parte, claro.

“Sua escolha é simples: unam-se a nós e vivam em paz, ou prossigam em seu curso atual e enfrentem a obliteração”
– Klaatu

7 comentários sobre “O Dia em Que a Terra Parou (The Day the Earth Stood Still) – 1951

  1. Sei que as pessoas odeiam o Keanu Reaves, mas a versão com ele não é tão ruim assim, é até assistível.

    Claro, este clássico ainda é imbátivel, ainda mais se levarmos em conta que em 1951 já foi um chute na caixa dos peitos da humanidade, uma crítica forte e contundente à forma como estávamos naquela época (nada mudou até hoje, pelo contrário, piorou) cuidando mal da Terra.

    Bela análise Elvis, sei que sou suspeito hehhee,

    Curtir

    1. “…em 1951 já foi um chute na caixa dos peitos da humanidade, uma crítica forte e contundente à forma como estávamos naquela época (nada mudou até hoje, pelo contrário, piorou)”…preocupante não?!

      Curtir

    1. Realmente Thiago, essa versão é um pouco risível em alguns aspectos, principalmente no robô (Gorth) que citei no texto.
      A versão do Keanu Reeves eu não assisti, mas quem sabe um dia assisto…não tenho nada contra o cara, não me julguem…heheh

      Curtir

  2. O que eu gosto dos filmes antigos ( principalmente os sci-fi ) é que as histórias costumam ser bem mais trabalhada. É aquele lance de poucos recursos visuais então se capricha na história. Assim temos um robo-teletubbie ( haha ), mas com uma história tão boa que vale a pena. Ao menos é assim pra mim.

    Acho que valeria citar que o filme foi baseado numa obra de Harry Bates chamada “Adeus ao mestre” ( http://en.wikipedia.org/wiki/Farewell_to_the_Master ). Apesar da mensagem ser a mesma, o plot é diferente e no livro é sempre melhor que na tela.

    Eu li primeiro o conto e depois assisti ao filme de 51 e acabei gostando dos dois. Achei o filme uma adaptação muito boa do conto. Porém o filme com o Keanu realmente é fraco demais por não focar direito no klaatu e colocar a raça humana como “coitadinha” no final da história.

    Curtir

    1. ANDRÉ FARZAT, roubou minhas palavras: “o que eu gosto dos filmes antigos ( principalmente os sci-fi ) é que as histórias costumam ser bem mais trabalhada. É aquele lance de poucos recursos visuais então se capricha na história”, sempre falo isso. Não conhecia a relação com este conto de Harry Bates, vou ver se consigo dar uma lida , afinal, de fato: “no livro é sempre melhor que na tela”, até porque no livro a gente pode imaginar o Gorth um pouco menos Teletubbico. heheh

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s